sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Resumo:
Meu Blog foi elaborado com muito carinho, seu tema: Educação inclusiva.
Textos e autores citados:
Enicéia Gonçalves Mendes / Universidade Federal de São Carlos - destaque"na atualidade temos cerca de 6 milhões de crianças e jovens com necessidades educacionais especiais e não chega a 400 mil o número de matrículas"

No endereço eletrônico http://www.pedagobrasil.com.br/ conheci trabalhos, textos e comentários de Padagogos de todo o país sobre inclusão, como o da Graciela Rodrigues Educadora Especial/UFSM onde escreve que nós educadores não temos um único papel, mas múltiplos e um deles que considera importante é a busca de possibilidades no seu fazer pedagógico, transcendendo a lógica do pode/não-pode, é possível/não é possível. Possibilidades como alicerces para a construção de novos sentidos e realidades desse ensino que deve ser, assim como todos os demais e, em qualquer Escola: "especial".

No texto: Inclusão Social /Marta Gil gostei muito quando escreve que os termos " Pessoa Portadora de Deficiência, Pessoa com Deficiência ou Pessoa com Necessidades Especiais sinalizam que, em primeiro lugar, referimos-nos a uma PESSOA que, dentre outros atributos e características, tem uma deficiência, mas ela não É esta deficiência. O que importa, em primeiro lugar, é a pessoa.

Adicionei o endereço http://www.crmariocovas.sp.gov.br/top.php?t=002 onde encontrei uma lista de filmes que abordam o tema Inclusão.

O dicionário de libras, fundamental no nosso trabalho.

O que é e o que não é inclusão para discussão.

Para finalizar quero deixar a todos a certeza de que aprendi muito com o curso, com as pesquisas feitas, aqui postadas e as muitas não postadas, assim com também aprendi com as contribuições de todos os participantes do curso.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Educação Inclusiva...

Educação Inclusiva é viver a experiencia da diferença, possibilitando aos que são discriminados pela deficiência, pela classe social ou pela cor que, por direito, ocupem o seu espaço na escola, no trabalho e na sociedade. De acordo com Enicéia Gonçalves Mendes, Professora da Universidade Federal de São Carlos,"na atualidade, constata-se que, para uma estimativa de cerca de 6 milhões de crianças e jovens com necessidades educacionais especiais, não chega a 400 mil o número de matrículas, considerando o conjunto de todos os tipos de recursos disponíveis, ou seja, desde os matriculados em escolas especiais até os que estão nas escolas comuns (ver Folha de S.Paulo, 11/6/99). Portanto, a grande maioria dos alunos com necessidades educacionais especiais está fora de qualquer tipo de escola. Tal quadro indica muito mais uma exclusão escolar generalizada dos indivíduos com necessidades educacionais especiais na realidade brasileira, a despeito da retórica da integração escolar." Portanto precisamos discutir melhor o processo de Educação Inclusiva e buscar meios para que ela de fato aconteça.

AVISO

Não deixem de entrar no endereço http://www.pedagobrasil.com.br/educacaoespecial/educacaoespecial.htm e conhecer trabalhos, textos e comentários de Padagogos de todo o país sobre inclusão.

Inclusão Social

Não poderia deixar de trazer um resumo do texto de Marta Gil, publicado no endereço http://www.tvebrasil.com.br/SALTO/boletins2002/ede/edetxt1.htm que aborda a inclusão social, o preconceito, os termos Pessoa Portadora de Deficiência, Pessoa com Deficiência ou Pessoa com Necessidades Especiais. Estes termos sinalizam que, em primeiro lugar, referimo-nos a uma PESSOA que, dentre outros atributos e características, tem uma deficiência, mas ela não É esta deficiência. Em termos gerais, podemos definir que "Pessoa Portadora de Deficiência" é a que apresenta, em comparação com a maioria das pessoas, significativas diferenças físicas, sensoriais ou intelectuais, decorrentes de fatores inatos e/ou adquiridos, de caráter permanente e que acarretam dificuldades em sua interação com o meio físico e social.
No Brasil, o Decreto n. 3.298 de 20 de dezembro de 1999 considera pessoa portadora de deficiência a que se enquadra em uma das seguintes categorias:
Deficiência Física: "Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções";
Deficiência Auditiva: "Perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando em graus e níveis" que vão de 25 decibéis (surdez leve) à anacusia (surdez profunda);
Deficiência Visual: "Acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20 (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações";
Deficiência Mental: "Funcionamento intelectual geral significativamente abaixo da média, oriundo do período de desenvolvimento, concomitante com limitações associadas a duas ou mais áreas da conduta adaptativa ou da capacidade do indivíduo em responder adequadamente às demandas da sociedade";
Deficiência Múltipla: "É a associação, no mesmo indivíduo, de duas ou mais deficiências primárias (mental/visual/auditiva/física), com comprometimentos que acarretam conseqüências no seu desenvolvimento global e na sua capacidade adaptativa".
No outro extremo da escala das habilidades intelectuais estão as pessoas que são consideradas superdotadas ou com altas habilidades, que se caracterizam por um notável desempenho e elevada potencialidade em aspectos, isolados ou combinados.
Além destes quatro tipos de deficiência anteriormente citados, há um outro grupo de comportamentos e atitudes que se diferencia do padrão considerado normal e que recebe o nome de condutas típicas.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Relação de videos

Relação de vídeos que tratam, entre outros assuntos, sobre pessoas portadoras de deficiências e Educação Inclusiva:

  1. Feliz Ano Velho. Roberto Gervitz. Brasil: Elite, 1987. 120 min. Nacional.Adaptação do livro "Feliz Ano Velho", romance autobiográfico do escritor Marcelo Rubens Paiva. Narra a trajetória de Mário, um jovem universitário que fica tetraplégico em um acidente e começa a relembrar fatos de sua vida.
  2. Filhos do Silêncio. Randa Haines. Estados Unidos: CIC, 1986. 118 min. Drama.Professor especialista em linguagem dos sinais conhece e ajuda a introspectiva Sarah (Marlee Matlin), uma surda-muda problemática, com dificuldades de se relacionar com as pessoas.
    Forrest Gump - O Contador de Histórias. Robert Zemeckis. Estados Unidos: CIC, 1994. 142 min. Comédia.Divertida e inteligente história sobre um jovem de Q.I. baixo (Tom Hanks) que acaba participando indiretamente dos mais importantes acontecimentos históricos dos Estados Unidos nas últimas décadas.
  3. Gaby - Uma História Verdadeira. Luis Mandoki. Estados Unidos: 1987. 100 min. Drama.Baseado na história de Gabriela Brimmer, garota que nasceu com distúrbio neurológico que a impede de falar, andar ou se mexer. Com a ajuda da mãe e da governanta, ela consegue superar suas limitações e escrever um livro.
  4. O Homem Elefante. David Lynch. Inglaterra/Estados Unidos: VTI, 1980. 125 min. Drama.Um inglês deformado devido a uma doença congênita, atração de um circo de aberrações, tenta reconquistar sua dignidade com a ajuda de um médico. Baseado em uma história verídica.
  5. Mentes que Brilham. Jodie Foster. Estados Unidos: 1991. 99 min. Drama/Suspense.As dificuldades de uma criança de sete anos, com inteligência muito acima da média e extremamente tímida. A mãe superprotetora e os interesses da diretora de uma escola para crianças superdotadas impedem que o garoto supere suas dificuldades de relacionamento..
  6. Meu Filho, Meu Mundo. Gleen Jordan. Estados Unidos: Film Ways TV Productions, 1979. 96 min. Drama.Drama feito para televisão a partir da obra de Barry N. Kaufman. É retratada a luta de um casal que tem um filho autista. São abordados temas como a deficiência mental e questões ligadas à psicologia, infância e adolescência. Disponível na videoteca do CRE.
  7. Meu Pé Esquerdo. Jim Sheridan. Irlanda/Inglaterra: LK-Tel, 1989. 100 min. Drama.Baseado numa história real. Narra a trajetória de um garoto com paralisia cerebral, nascido numa pobre família irlandesa. Ao crescer, Christy tem a chance de mostrar ao mundo seu talento como escritor, poeta e pintor, utilizando, para isso, seu pé esquerdo como única ferramenta.
  8. Para Lembrar um Grande Amor. Jeff Bleckner. Estados Unidos: Wayne Threm, James Thompson, 1985. 95 min. Drama.Narra a história da poetisa Barbara Wyatt Hollis que, no auge de sua carreira, enfrenta uma doença que afeta sua memória, suprimindo gradualmente sua saúde física e mental. Disponível na videoteca do CRE.
  9. Perfume de Mulher. Martin Brest. Estados Unidos: CIC, 1992. 157 min. Drama.Estudante trabalha como acompanhante de um militar cego e angustiado em um final de semana. O comportamento excêntrico e auto-destrutivo do militar, agravado pela bebida, resulta em uma relação repleta de dramas e revelações.
  10. O Piano. Jane Campion. Áustria/França/Nova Zelândia: Paris, 1993. 120 min. Europeu.No final do Século 19, a viúva Ada McGrath (Holly Hunter) viaja com a filha para a Nova Zelândia, onde se tornará a esposa de um fazendeiro, num casamento arranjado. Na bagagem, ela leva um piano. A música ajuda a personagem a superar a realidade bruta e selvagem.
  11. Rain Man. Barry Levinson. Estados Unidos: Warner, 1988. 140 min. Drama.Charlie é um jovem egoísta que começa a cuidar do irmão autista Raymond para ficar com a herança do pai. Os dois irmãos terão de conviver com as diferenças em uma intensa jornada de conhecimento mútuo.
  12. O Silêncio. Mohsen Makhmalbaf. Irã/França: PlayArte, 1998. 76 min. Europeu.Khorshid é um garoto cego cujo ouvido apurado permite que ele trabalhe como afinador em uma loja de instrumentos musicais. Certa vez, ouve melodias tocadas por um músico ambulante. Os novos sons viram uma obsessão ao jovem garoto.
  13. Uma Lição de Amor. Jessie Nelson. Estados Unidos: PlayArte, 2001. 133 min. Drama.Mostra a luta de Sam Dawson (Sean Penn), um homem com problemas mentais, para ficar com a filha, quando a assistente social constata que a garota superou o pai intelectualmente e decide levá-la a um orfanato.

Maiores informações http://www.crmariocovas.sp.gov.br/top.php?t=002

segunda-feira, 15 de outubro de 2007


Dicionário de Libras

A inclusão é :

- atender aos estudantes portadores de necessidades especiais na vizinhanças da sua residência. - propiciar a ampliação do acesso destes alunos às classes comuns.
- propiciar aos professores da classe comum um suporte técnico.
- perceber que as crianças podem aprender juntas, embora tendo objetivos e processos diferentes
- levar os professores a estabelecer formas criativas de atuação com as crianças portadoras de deficiência
- propiciar um atendimento integrado ao professor de classe comum.

A inclusão não é

- levar crianças às classes comuns sem o acompanhamento do professor especializado
- ignorar as necessidades específicas da criança
- fazer as crianças seguirem um processo único de desenvolvimento, ao mesmo tempo e para todas as idades
- extinguir o atendimento de educação especial antes do tempo
- esperar que os professores de classe regular ensinem as crianças portadoras de necessidades especiais sem um suporte técnico.

Fonte: Mrech, L. M. O QUE É EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Disponível em <http://www.inclusao.com.br/projeto_textos_23.htm>